Blog do Ap Josué Barbosa

sábado, 31 de julho de 2010

Arrependimento Eficaz

ARREPENDIMENTO EFICAZ

E disse a Jesus: Senhor lembra-te de mim, quando entrares no teu Reino. Lucas 23:42.


Vemos aqui, a história triste de um homem. A princípio um homem comum, com sonhos, ideais, mas que, com o passar dos anos, viu ruir seus sentimentos de esperança. Percebeu que estava em um tempo de egoístas, tempos em que não havia preocupação com os que viviam à margem da sociedade, onde o que prevalecia era a lei do mais forte, como é nos dias atuais. Este homem talvez fosse religioso como quase todos de sua época. É bem verdade, que sua opção pela marginalidade, é de sua inteira responsabilidade seja de forma consciente ou inconsciente.

Sentimento de justiça

Parecia aflorar de si um sentimento de justiça, “Nós na verdade com justiça, porque recebemos o castigo que os nossos atos merecem; mas este nenhum mal fez.” Lucas 23:41, justiça esta que ele buscou provavelmente nas religiões de sua época, buscou nas instituições um motivo para ser honesto e viver de seu trabalho, contudo, não encontrou, talvez fora enganado, depositara sua fé em coisas terrenas, por isso não encontrou forças para mudar de vida, quero imaginar este homem como um pai de família, como milhares em nossos dias, sejam marginais ou não, que vivem num dilema sem fim, querem o melhor da vida, oferecer o melhor para os seus e assim vão levando, como muitos dizem, e não se dão conta de que os dias se abreviam. Falaram tanto da tradição de suas religiões, como era bonito este processo de simplesmente suceder aos pais sem nenhum sacrifício ou mudanças bruscas. Porém, toda essa situação o levara para o fundo do poço.

Uma nova proposta

Agora, estava diante de alguém que parecia conhecer; o outro ladrão, e de alguém de quem, certamente, havia ouvido falar maravilhas, o Senhor Jesus. Certamente toda sua vida agora passava como um filme, revia cada momento com nostalgia, imaginando como teria sido diferente se tivesse tomado uma atitude capaz de ter promovido mudanças profundas em seu ser faminto por justiça. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos.” Mateus 5:6. Agora estava diante de alguém que poderia mudar a sua história, alguém que, quem sabe, teve a oportunidade de encontrá-lo, mas que evitou encontrar-se com ele. Esta é a vida de muitos em nossos dias, vivem de ilusões, em busca de mudanças, mas insistem em evitar cruzar com Jesus, não diferenciam a possibilidade de um relacionamento com Deus, de uma simples religião sem sentido ou de um estilo de vida medíocre.




Repreensão pelo arrependimento

O ladrão na cruz repreendeu seu colega pecaminoso, pois já havia se arrependido, “Nem ao menos temes a Deus, estando sob igual sentença?” Lucas 23:40, em seguida reconhece seu pecado, Lc 23:41.
Diferente das pessoas que repreendem nos outros as atitudes erradas existentes em si mesmas. Quantos pais já me falaram; pastor vá lá em minha casa, pois meu filho precisa da igreja bebe o dia todo, não quer estudar... Ou coisas deste tipo, agem assim, como se fossem imunes a todo tipo de problema, elas representam o ladrão na cruz que não se arrependeu, continuam iludidas, agem como se não fossem responsáveis por si mesmas, reconhecem os erros dos outros, não os seus. Quem precisa é o filho, não eles.

O arrependimento leva à confissão

O ladrão arrependido reconheceu sua condição de pecador o que o fez arrepender-se. Ele já tinha perdido tudo, nada mais fazia sentido, tinha tudo para praguejar como o outro, contudo, talvez, pensou, já errei demais, é tempo de tentar algo diferente, sem medo, sem reservas, usou o que ele tinha a sua disposição, não podia mais andar, seus pés estavam presos à cruz, muito menos poderia pensar em comprar algo, para dar em troca do tempo perdido. Voltando a seu momento de reflexão, a única coisa que poderia imaginar é que estava no fundo do poço não pela condição física em que se encontrava, e sim por sua vida espiritual, sua enfermidade era na alma independente de como estivesse, preso ou livre, sua condição espiritual era de perdido, então usou o que tinha a sua disposição, o coração e a boca. Creu no coração e confessou com a boca clamando por Jesus. Lucas 23:42. Então o Senhor Jesus lhe prometeu algo que está acima de todo modelo de vida, o Paraíso. A Vida Eterna.

Conclusão

Existem momentos na vida, que é tempo de reflexão, não é necessário chegar às últimas consequências para só então reconhecer que precisa de Deus, estou falando em Deus e não em uma religião que todo domingo você vai e ouve falar de um, falo de relacionamento, esta é a sede que todos têm no íntimo, sede de Deus. Não importa como as pessoas vivem cedo ou tarde frente ás dificuldades sempre clamarão àquele que julgam ser maior e poderoso.
Josué Barbosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário