Blog do Ap Josué Barbosa

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

O padecer de Cristo por nós.

Isaias 53: 1-5

Sofrimento Físico

Este texto mostra o sofrimento incondicional de Cristo pela humanidade, Jesus no momento de seu sofrimento vicário, ou seja, morte em favor do homem. Sofrimento incondicional, pois a Bíblia diz que; Deus prova seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. Romanos 5;8. Não é apresentada aqui nenhuma qualidade especial pela qual o homem merecesse algo de Deus, ao contrário, relata que; Todos pecaram e estão separados da glória de Deus. Romanos 3;23. Jesus agora estava ali, não tinha aparência humana nem divina, “Não tinha aparência nem formosura” é o que diz o texto, estava moído fisicamente pela implacável ação do homem a ponto de desfigurar-lhe o rosto. Ao mesmo tempo, arrasado, espiritualmente, pois quando tomou sobre si nossas transgressões, sentiu-se, separado de Deus Mt 27:46. A Bíblia diz que era homem de dores que sabia o que era padecer, Isaías 53;3. Tudo isto para que? Para ser rejeitado pelo homem, O texto diz que agradou a Deus moê-lo, entregar-lhe em sacrifício, vivo e agradável, para resgatar o homem de seu estado pecaminoso. É preciso olhar este texto e entender o que realmente significa. Que o sofrimento da perda nos incomoda, enquanto foi do agrado de Deus perder seu filho, vê-lo sofrer, por alguém que sempre murmura,pois reclamamos de tudo, eu e você.

O Sentido da Cruz

Em que nível realmente nos encontramos? Onde está a sensibilidade para entender os desígnios de nosso Criador? Vivemos o tempo declarado por Jesus em MT 24, tempo em que o amor de quase todos esfriou, os pais levantam-se contra os filhos, estes contra os pais, não se pensa antes de tomar atitudes, o que elas irão causar ao próximo, quem vai sofrer as conseqüências? Quantos estarão envolvidos? Não, pensa-se apenas em si, por quê? Parece que a Cruz não faz sentido. Quantos sofrem por decisões egoístas de outros que acabam dando em nada, causando apenas sofrimento, nada mais. Às vezes temos alguém com um conflito muito grande na família, às vezes um vizinho, e tudo o que fazemos é demonstrar uma insensibilidade, estando ocupado demais para melhorar no trabalho, o salário, em fim, de vida. E quem está agonizando que se resolva.

O Amor Incondicional

E onde está a Cruz? E o homem desfigurado deste texto, onde está? Que lugar Ele ocupa em nossa tumultuada vida? Nesta correria, onde encaixar o Messias? E suas dores, por que parece não fazer sentido para nós? Quantos desistem no primeiro obstáculo, e Ele está ali, desfigurado, moído, cheio de dores, olha para o seu Pai, e percebe que é de seu agrado, moê-lo, sacrificá-lo, por amor a um povo rebelde. Eu não preciso passar por isso! Falamos algumas vezes, em meio a algumas situações, e Ele, precisava passar por tanto sofrimento? Olhe para Ele agora e imagine sua agonia, o que o fez sofrer tanto? Será que você entende agora, que os nossos pecados foram tão destruidores, que em meio a dores de um homem íntegro e reto foram perdoados. E por quê? Porque Ele nos amou de forma incondicional, Rm 5:8. Só o amor explica tamanho sacrifício.

A Eficácia da Cruz

O que a Cruz não mudou? Talvez não tenha mudado a insensibilidade, e egoísmo descontrolado de um homem corrompido pela destruidora sociedade corrupta, que sempre constrói valores contrários aos de Deus. Não conseguiu mudar o sentido de religiosidade nas coisas divinas. Não mudou, por que muitos pensam que Ele ainda está lá, agonizando na Cruz, ainda não passaram pelo sepulcro, e antes, não o ouviram dizer que, “Está consumado” João 19:30. E ainda mais, não sabem que o sepulcro foi encontrado vazio. Não mudou para os que não creram, pois o texto pergunta quem creu? Pois é fundamental crer, para que Deus mude, de fato, Jesus não está mais lá, na Cruz, por que ressuscitou dos mortos. Agora, o preço foi pago, e veja, que preciosidade, o seu preço custou a vida do filho de Deus, Ap 5:8. Então, desta forma, entendemos que não temos dívidas, se não com Ele. Por que para os que estão em Cristo, não há mais condenação, Rm 8:1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário